quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

Ventos de mudança

Nos momentos de viragem das nossas vidas, naqueles momentos entre uma etapa e outra, há sempre espaço para a introspeção, para uma avaliação do que se viveu e do que se espera daí em diante. Há sempre um relembrar das coisas boas e das coisas más (esperemos que as primeiras ultrapassem em larga escala as segundas, ou que, se não for esse o caso, saibamos avançar sem a carga negativa do que aconteceu). Há sempre espaço para ir bebendo o presente, que está em vias de se tornar passado, e ir sonhando com o futuro, que será presente mais cedo do que esperamos. Há sempre nostalgia, seja pelos momentos, pelas pessoas, pelos lugares, pelas memórias. Há sempre ansiedade e excitação do que aí vem. Há sempre medo e receio, misturados com alegria e libertação. Acima de tudo, é desejável que haja paz, calma, serenidade. Que as mudanças surjam com a naturalidade com que a vida avança e que, sendo ou não procuradas, encaixem nas nossas almas como peças de puzzle (mesmo que por vezes haja arestas a limar, o quadro geral fica mais bonito quando as peças estão juntas). Que as lições do passado nos sirvam para crescer, para amadurecer, mas não para nos amargar, nem para nos impedir de ver o futuro de olhos brilhantes e coração aberto. A vida é assim, sempre em frente. E, nos momentos de viragem, resta-nos agradecer o que passou, tudo de bom e de mau que nos trouxe até aqui, respirar fundo, olhar em frente e dizer ao futuro: Estou preparada!


terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Compras online - rendi-me


Sempre fui um bocadinho cética no que às compras online diz respeito. Acho que tinha receio da segurança da transação, receio de o produto não chegar em condições (bem sabemos como os CTT funcionam no nosso país), receio de não ter como receber a encomenda estando fora de casa todos os dias e sendo os horários dos Correios muito pouco compatíveis com quem trabalha... Enfim, pequenas inseguranças que me fazia sempre preferir comprar as coisas ao vivo.
Depois chegou a era dos websites de venda de experiências (Odisseias, Descontos, Lifecooler, etc.) e aos poucos comecei a comprar uma coisinha aqui, outra ali - afinal eram vouchers e vinham imediatamente por e-mail. Depois foi a Saída de Emergência e a Wook e as suas promoções maravilhosas e a facilidade de adquirir os livros sem ter de me descolar à livraria. A par de já não precisar de um cartão de crédito para efetuar essas compras, podendo optar pelas referências multibanco, e de estar a trabalhar num local que me permite receber encomendas pessoais.
Daí até começar a explorar a Internet e os sites de venda de produtos espalhados por esse mundo fora foi um pulinho. Ainda desconfio sempre que tenho de usar o cartão de crédito, prefiro sempre usar o Paypal, nunca compro por impulso, analiso sempre outras opiniões e tento ver fotografias reais dos produtos, mas de uma maneira geral as coisas têm corrido bem. E há sempre promoções fantásticas para aproveitar, no conforto do lar, sem o stress de andar a correr de loja em loja.
Por isso, este ano, despachei quase todas as prendas de Natal com compras online. Quase todas aproveitando os dias loucos da Black Friday, ali nos finais de novembro. Poupei dinheiro, poupei tempo, poupei paciência. Fiquei despachada. E rendida às compras online.


sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

New nails of the week

Já não é surpresa para ninguém que me rendi ao verniz gel. Mantém as minhas unhas fortes (ao contrário do que acontece a muita gente), mantém o brilho intenso durante duas ou três semanas, não lasca, não se estraga, não se parte por dá cá aquela palha. Enfim, uma miríade de coisas boas. Demorei a acertar com a remoção, mas até isso agora já é fácil (ainda não é rápido eheheh) e é um tempo que eu uso para mim, enquanto vejo séries ou filmes.
E se, na maior parte das vezes mantenho uma manicura simples e elegante, de vez em quando dá-me para aventuras e testes e, agora que se aproxima a época das festas, decidi sair da zona de conforto e arriscar um pouco mais. Ao início, estranhei, depois entranhei e agora gosto imenso do resultado final!

Verniz Gel 240 e Pó Pink Chrome da Andreia Professional.

quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

Rotinas

Devia ser proibido a pessoa levantar-se dos lençóis polares quentinhos quando a noite ainda está cerrada lá fora e o frio gela-nos os ossos. Devia ser proibido a pessoa sair de casa com o céu escuro como breu e os carros cheios de gelo das temperaturas negativas das últimas noites. Devia ser proibido abandonar o conforto do lar enquanto a sua família dorme tranquila e feliz, sair sem trocar dois dedos de conversa com o marido, apenas um beijo suave e os desejos de um bom dia, daqui a pouco já falamos, sem ir ver se o pequeno está bem tapado e quentinho, sem lhe dar um beijinho de miminho de mãe, com medo de o acordar ainda tão cedo que é. Devia ser proibido tudo isto. Mas, nesta fase da vida, é a única forma que tenho de regressar ao ginásio e ao exercício físico. É a única forma que tenho de me mexer, de (re)ganhar músculo perdido em dois anos parada: fortalecer os braços para pegar no filho ao colo, fortalecer as pernas para poder caminhar depressa no regresso a casa, fortalecer o espírito para me sentir cada vez melhor comigo - por dentro e por fora.
Está frio lá fora, está de noite, dormi pouco e quero aninhar-me no marido. Sim, tudo é verdade. Mas também quero aproveitar esta onda de motivação que todos os dias me arranca da cama às seis da manhã para me plantar às sete à porta do ginásio. Treinos curtos e otimizados que às oito há um comboio para apanhar e às nove há trabalho para fazer. Não quero andar a correr, não quero andar a entrar em stress, por isso as coisas estão bem organizadas para não haver atrasos e, quer acreditem quer não, até é uma forma muito mais dinâmica de começar a manhã e deixar-me totalmente pronta, alerta e motivada para o que vou encontrar ao longo do dia. 
Mas não quero atirar os foguetes para já... ainda vamos no início do inverno e a chuva ainda não chegou a sério - e o que me desmotiva a chuva! - por isso ando a levar tudo com calma, um dia de cada vez, esta nova rotina que criei para mim.




*Imagens retiradas do Pinterest.

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

Rendi-me à moda

Admito, rendi-me à moda. Dos ténis. Das pérolas no vestuário. Das duas coisas em conjunto. Ora digam lá se não são tão giros?!


Ainda estive hesitante em comprá-los ou não, uma vez que ténis é um mundo que ainda me é um pouco desconhecido (vá, já uso os meus converse com vestidos, mas é uma coisa relativamente recente no meu estilo). No entanto, todos os dias passava por eles na montra, todos os dias os namorava mais um bocadinho e as pérolas, ai senhores, as pérolas foi o que me encantou à primeira vista. Acabei por comprá-los, fiz uma sondagem pelos amigos e família e a resposta foi um retumbante "Sim, fica com eles!". Pronto, já me andam a fazer companhia na rua, ainda em modo de teste para ver com que indumentárias é que mais se encaixam. Mas estou-lhes completamente rendida!

domingo, 3 de dezembro de 2017

Ao domingo, publicidade! #196

E chegamos a dezembro, mês que, em termos de publicidade aqui no estaminé, é todo ele dedicado ao Natal! E começamos bem, com publicidade nacional que me fez esboçar um sorriso. E ter pena daquele pobre pai que virou Pai Natal involuntariamente!

quinta-feira, 30 de novembro de 2017

Adolescência precoce?

Hora da história, depois de lavar os dentes, tomar banho e vestir o pijama. O Tiago brinca com o "seu" telemóvel (um velho BlackBerry que já nao usamos e que lhe demos, para ele não brincar com os nossos).
Sento-me no sofá ao lado dele, abro livro e ele sempre de volta do telefone. Falo-lhe em jeito meigo:
- Tiago, está na hora da história. Arruma o telefone, vá. Não vês a mamã com o telefone agora, pois não?
E nisto, lançando-me um olhar sobranceiro, o meu filho adolescente precoce diz-me cheio de si:
- Eu peciso do telefone, mãe. Tenho de ligar aos meus amigos!
...
E depois de termos "telefonado" aos colegas de turma (ainda bem que são só três!) e à educadora a dar um beijinho de boa noite, pudemos finalmente ler a história em sossego. E eu que pensava que ainda tinha mais uns dez anos antes de levar com respostas destas!

quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Walk away



Sometimes it takes time. Sometimes it's hard. Sometimes it seems impossible. It always takes strength and patience and perseverance. But eventually, it will happen. And you will feel overwhelmed, anxious, maybe even afraid. But you will face it. And embrace it. And, in the end, enjoy it!

terça-feira, 28 de novembro de 2017

Eu fiz um chá...

Ontem cheguei a casa já em cima das oito da noite: tirar sapatos, tirar casacos, lavar as mãos, fechar persianas, vestir a bata do Tiago para que ele pudesse pintar com canetas de feltro, ir aquecer o jantar, pôr a mesa, ir várias vezes ao quarto do Tiago responder às suas mil solicitações, chamá-lo para a mesa e começar a comer. Estando ele já despachado, pus um chá a fazer e ia começar a arrumar a lancheira e as coisas do ginásio quando o Tiago me disse que também me queria ajudar a fazer aquilo. Eu acedi e acabei por me sentar à mesa com ele (se há coisa que me faz confusão é deixá-lo a comer sozinho, não gosto, não consigo, paro tudo o que tenho para fazer para ficar com ele, na mesma divisão que ele, pelo menos).
Entretanto, o marido chegou. O Tiago acabou de comer e eu, que tinha de fazer um telefonema inadiável, deixei-os aos dois. Enquanto eu estive indisponível, o marido fez almoço para hoje, lavou a loiça, arrumou as lancheiras e as coisas do ginásio, respondeu às mil solicitações do filho, pôs roupa a lavar, estendeu a roupa, lavou os dentes, deu banho e deitou o Tiago, acordou quando o filho acordou com fome, deu-lhe comida e voltou a deitá-lo. E ainda me deu atenção. 
E eu? Eu fiz um chá. Porque sei que tenho o melhor marido do mundo, que me dá todo o apoio e com o qual posso sempre contar quando preciso. Ontem precisei de não ser mãe nem dona de casa durante algum tempo e ele esteve lá para garantir que eu não precisava de me preocupar. Ele está lá todos os dias. Todos. E eu, que fiz um chá a pensar nele, valorizo muito, mesmo muito, esta excelente equipa que nós somos!

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

Sabes que estás empenhada quando...

Sabes que estás empenhada quando, no balneário do ginásio, duas senhoras comentam que esta semana é mais curta porque tem um feriado e tu pensas "Oh bolas, é menos um treino esta semana!" 😣
Boa semana para todos, sim?

domingo, 26 de novembro de 2017

Ao domingo, publicidade! #195

When kids learn to take on challenges, there’s no limit to how far they’ll go.

Enquanto mãe de uma criança pequena, a minha política é sempre dar-lhe asas para ele voar. E deixá-lo ser ele a "desenrascar-se" sozinho das situações em que se mete. Não serei capaz de o amparar em todas as quedas que der, ao longo da vida, mas se o impeço de subir, apenas por causa do medo de cair, como é que ele se vai desenvolver plenamente? Então estimulo-o a aceitar desafios, deixo que suba, ensino-o a segurar-se bem, dou-lhe todo o meu apoio e, enquanto puder, amparo-lhe todas as quedas que der. Acima de tudo, acompanho-o nas aventuras reais ou imaginárias que ele quer viver!

sexta-feira, 24 de novembro de 2017

Mood do dia

Enquanto recebo encomendas de livros tão fixes e acrescento mais uns quantos à lista de desejos de Natal. Não há volta a dar, livros são a minha perdição!

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Dicionário de Tiaguês VI

Mais um capítulo neste dicionário que me vai servir de recordação por muitos anos. Porque são tantas as coisas engraçadas que os miúdos dizem que, às vezes, é uma pena não as conseguirmos memorizar todas. E não vá a memória falhar-me, aqui fica o registo, aos dois anos e meio:

Rampla
(rampa)

Sastão
(estação)

Sastionar
(estacionar)

Guadanamapo
(guardanapo)

Aqueféceu
(arrefeceu)

Derrabainho
(devagarinho)